Parceiros e Afiliados
RPGs Parceiros
Afiliados em Geral

[FOTÓGRAFO] SCOTT KOLL STRADIVARIUS

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[FOTÓGRAFO] SCOTT KOLL STRADIVARIUS

Mensagem por Scott Koll Stradivarius em Qui 03 Dez 2015, 03:22

Scott Koll Stradivarius
Fotógrafo
Alfonso Herrera
HABILIDADE
Humano
Hogwarts
Grifinória

História do Personagem
 > Fruto de uma gravidez indesejada entre dois bruxos juvenis, Isabel Hoult Smith e John Smith, Richard nasceu em meio a mais uma das grandes viagens nômades que realizavam por todo o mundo. Acreditavam não estarem aptos a criarem aquela criança, e nem mesmo cogitaram em tentar educa-la. Não muito depois de seu nascimento, Richard fora entregue para um orfanato trouxa perto do estado de Nova Orleans. Parecia monstruoso fazer aquilo a um infante, no entanto, suas razões estavam bem expostas, sobretudo quando os progenitores falavam da qualidade ruim de vida que dariam par a acriança, caso ela permanecesse em sua custódia. Uma vez no orfanato, Richard sempre demonstrou ser uma criança agradável para com os outros órfãos. O chamavam de irmãozão, mas não pelo fato de ser o menino mais velho ali, todavia, por ser o que se responsabilizava por todos. As irmãs ursulinas do orfanato muito o admiravam por tal dedicação.

Richard não foi adotado até seus quatros anos, o que era curioso. A predileção por bebês sempre foi predominante não só ali, mas em outros locais de adoção. Segundo Mary, a mãe adotiva, aquele menininho ganhara seu coração pela gentileza e pela maneira cordial com a qual agia. A mulher cuidara de todo o processo de adoção sozinha, mesmo que soubessem que ela era casada. Talvez o marido não quisesse um filho, o que viria a dificultar mais tarde as coisas. No entanto, Mary conseguiu a guarda de Richard pouco depois de um ano e processos cansativos. Jeremiah, seu marido, um homem rechonchudo e bêbado, era o oposto da esposa. Uma simples professora, mas com grande coração. Eram trouxas, diferentemente dos pais biológicos do menino. A figura começou a mudar quando Richard tinha sete anos. As agressões que o homem cometia contra a mulher em sua frente, e posteriormente, as que passou a cometer para com ele. Um tapa aqui, um soco ali, e tudo em nome de acalmar os nervos pelas frustrações de um homem com a vida estagnada.

Quando a carta de Hogwarts chegara para Richard aos onze anos, jamais se viu naquela residência tamanho rebuliço. As coisas eram de difícil compreensão, ainda mais numa delicadeza de caso daquela. Mary gostaria que o rapaz pudesse vivenciar a experiência tão surreal, já o homem fazia questão de o querer privar. No final, mesmo com todas as artimanhas de Jeremiah, Rich ganhou a oportunidade de poder voar. Uma vez na escola ele fez amigos, estava envolto a uma família que reconheceu o amor. Desejava nunca sair de Hogwarts, embora soubesse que seria necessário ao fim do ano letivo. Entre tantas idas e vindas, mesmo nas férias a violência jamais parava. E foi em meados de sua adolescência que a revolta cresceu. Mary não tomava uma decisão para entrega-lo a justiça, e aquilo revoltava ainda mais o rapaz. Estava cansado daquela vida, de ter de apanhar. Um fato muito importante ocorreu ao fim do quinto ano, após a Corvinal vencer a copa das casas. O garoto caído ao banheiro e com o sangue a correr pelo pescoço. Suicídio. Ele poderia ter feito aquilo para fugir da violência, no entanto, não. E por aquelas razões, eis que Richard o salvou. Correra com ele nos braços. Dera a ele uma possibilidade de segunda chance.

E depois daquele episódio a vida dele não foi mais a mesma. Ao final do sétimo ano em Hogwarts, quando concluíra os estudos, Richard decidiu que não voltaria para casa. Jamais aguentaria os socos novamente. E pegou o pouco dinheiro que tinha e foi para Londres ao desembarcar do expresso. Vivera durante um tempo com o que guardou, no entanto, o dinheiro acabou tão rápido quanto gostaria. Não possuía um curso superior, nem mesmo possibilidade para tal. E de todos os caminhos para que não morresse largado, terminou por cair nos caminhos da prostituição. Mudou o nome, passando a se chamar Scott, assi mtambém, o rapaz mudou a idade. Tudo acerca do seu passado foi alterado. Com pouco tempo naquele meio, a característica do cuidar que lhe destacara quando criança, também se tornou a que lhe atraia clientes. Que em sua maioria eram homens que não abriam-se sobre sua sexualidade e viviam casamentos de fachada infelizes. Ou de mulheres traídas e que não possuíam mais o procurar dos maridos. Fez um bom dinheiro e daquela maneira começou a se sustentar, enquanto praticava a fotografia, uma paixão descoberta através de uma exposição qualquer ao centro de Londres.

Características Psicológicas
 > Scott é alguém que utiliza o que o momento pede. Não que não tenha uma personalidade definida, no entanto, o rapaz sabe lidar com os diferentes tipos de pessoas. Aprendeu isso ao exercer a sua profissão na vida. É completamente observador quanto ao que acontece ao seu redor, e não hesita em levantar-se a favor daqueles que lhe são de estima, embora sejam poucos. Sabe utilizar-se de vingança quando tocam em algo que o atinge, tendo aprendido isso após a revolta para com o padrasto. Scott é um misto entre uma melancolia e um determinismo exacerbado. Ele pode ser situado entre a linha tênue entre a razão e a emoção. Sempre sabe a melhor a usar.

Narração de Cargo
 > Observei a coruja que cortou o céu apressada. No bico, eis que levava uma carta. Era época das cartas de Hogwarts serem entregues aos seus destinatários. Para os veteranos uma lista nova de materiais, para os primeiranistas, o passaporte para uma experiência totalmente diferente das vividas durante a infância. O click da minha máquina foi rápido. Logo o animal estava estampando mais uma fotografia daquele rolo. Ainda que não fosse da minha área fotografar pessoas aleatórias, eu possuía o hábito pessoal de o fazer. E a cada foto de pessoal, pensava para ela uma improvável história. Eles eram meus personagens, como escritores tinham os seus em suas histórias. Durante aquela manhã já havia coletado os tipos de imagens encomendadas pela Witch Express. Certamente haveria uma matéria ou artigo a falar sobre a volta às aulas de Hogwarts, e a fotografia da coruja não ficaria ali sem um uso devido. Era tanta coisa a se fazer, que esquecia-me de minha outra vida. Aquela que não seria jamais aceita ou vista como normal aos olhos da sociedade conservadora. No fundo, nem mesmo eu achava certo.

Na noite anterior as fotografias da posse do novo Juiz da Suprema corte tinham ficado em ótimo estado. Orgulhei-me de tão belas fotos e fiz cópias especiais para guarda-las para mim mesmo. Caminhei com as mãos nos bolsos e câmera pendurada no pescoço. Estava bem próximo a entrada do Beco Diagonal. Cogitei uma visita, no entanto, terminaria gastando dinheiro com meu vício em doces, e gastá-lo era um luxo que eu inda não podia me dar. Contas a pagar ao fim do mês, a compra de uma vassoura nova. Tantas coisas pendentes que eu sentia que teria de trabalhar o dobro se quisesse logo boa parte delas. Cliquei mais algumas fotos durante minha caminhada até a estação de King’s Cross. Pegaria o metrô para ir mais ao norte. Residia numa parte para aquelas bandas. Tendo me sentado no trem trouxa, repousei meu material de trabalho no colo e notei um vulto sentar-se ao meu lado. Trajava um simples vestido de cor cinza, um coque ao alto da cabeça e uma bolsa pequena: - Bom dia, Sr. Stradivarius. Adaptando-se bem aos ofícios? – Era Melanie, uma das redatoras do setor vizinho. Escrevia para a coluna política. Estiquei os lábios durante a resposta: - É, tem sido uma experiência tão interessante quanto pensei. Eu gosto.

- Neste caso, que bom que esteja gostando. Em Witch Express terminamos por ser uma família no final. Veja bem, se os setores não interagem e se interligam, não obtemos o máximo de êxito em informação. Que é o nosso propósito central. – A moça morena explicou ao dar uma breve olhada para o lado de fora do transporte. As casas e os bairros do centro ficavam para trás. – Andei vendo algumas fotos suas, é realmente bom. Fiquei sabendo que registrou a posse do Juiz novo. Há alguma foto do evento por ai? – Puxei imediatamente a pequena pasta do canto e a abri. Revelei o portfólio da posse e com uma expressão agradável no rosto, Melanie passou a observar: - Tem uma boa noção dos ângulos faciais. Impressionante. Gostei bem dessa, captou profundamente os olhos dele. Há quanto tempo estuda fotografia, Sr. Stradivarius? – Cocei a cabeça: - Bem, eu nunca estudei. Eu aprendi a clicar por paixão. – Arregalaram-se os olhos da redatora. Ela não parou até avaliar todo o portfólio daquela data: - Impressionante. Nossa chefe irá gostar bastante. Estou até vendo os elogios. – Ao devolver-me o material, Melanie manteve sua postura reta: - Importa-se? – Ergui a máquina em sua direção a fazer menção que tiraria dela um retrato. Ela negou com a cabeça.

Ao focalizar nos traços finos e expressivos de seu rosto, ativei o botão e a registrei numa fotografia automática: - É bem bonita, Senhorita. – Entreguei a foto para ela. Melanie me sorriu e olhou para a foto: - Vou por numa moldura. Eu estou apaixonada pela minha face e suas expressões. Obrigado, Sr. Stradivarius. Aliás, por que não passa em minha sala para tomarmos um chá e falarmos da vida a qualquer hora? Seria uma honra. – Assenti com a cabeça ao repousar a máquina no colo novamente: - Claro, é só vermos nossas disponibilidades. Eu duvido que esteja muito livre nesta semana. Há alguns eventos a cobrir, fora as horas nas quais tem a ronda para capturar reportagens. = O barulho de anúncio da minha estação havia chegado. Ele revelou a parada duas vezes e só notei bem ao fim da segunda. Tendo me levantado, fui a dizer: - Como eu te disse, Senhorita, não sei minha grade completa esta semana. Mas eu gostaria muito de tomar o chá. - Levantei apressadamente para não perder a descida. Melanie acenou-se de seu lugar e retribui o gesto simples. Dirigi-me para a saída da estação e foi quando uma coruja passou próxima de mim e deixou um pequeno bilhete. O remetente vinha da Witch Express. Não foi diferente a certeza quando li o conteúdo, uma nova cobertura urgente. Precisaria cobrir uma festa de casamento ministerial. Ótimo, ali teria de procurar um terno. O trabalho chamava.
@ RPG HOGWARTS MW 2010-2015
Scott Koll Stradivarius
avatar
Varinha : Um Graveto.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [FOTÓGRAFO] SCOTT KOLL STRADIVARIUS

Mensagem por The Deep Sea em Sex 04 Dez 2015, 11:04

APROVADO.
The Deep Sea
avatar
Cargo : Administrador Sênior


Varinha : Laranjeira, Pena de codorna, 30cm, Flexível.


Administradores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum